sexta-feira, 29 de novembro de 2013

CONTO POR CONTO #3: "Sofia, o Motorista e o Cobrador" (Andréa del Fuego)

Durante esse CONTO POR CONTO #3, essa edição da Granta em Português me trouxe uma oportunidade de conhecer novos autores e autoras poucos conhecidos no Brasil. Entre eles, além dos gringos, existem autores brasileiros que eu, particularmente, nunca tinha ouvido falar.


Tá certo que esses casos nem sempre propiciaram grandes experiências (vide "Garimpo" e "Na varanda..."), mas só o conhecimento sobre a existência de contistas brasileiros já vale a pena, eu acho.


De qualquer forma, aí está Andréa del Fuego e "Sofia, o Motorista e o Cobrador". A autora inclusive já ganhou o Prêmio José Saramago em 2011 pelo seu romance "Os Malaquias".


Mas nada mais propício para uma história brasileira se contada no maior meio de transporte do país, certo? O cenário do conto é basicamente só o interior do ônibus durante o passar de um longo período de tempo, com pouquíssimas partes na casa do protagonista.


O cerne do conto é essencialmente a relação dele, o narrador/cobrador sem nome, com uma passageira do ônibus da linha que ele trabalha, a tal Sofia. 


Nisso tudo, existem dois detalhes interessantes:


- O cobrador/narrador perdeu o olfato quando ainda era criança.


- Ele e Sofia nunca se falaram. Na verdade, sequer se olharam direito.



http://1.bp.blogspot.com/-Hibxp5Je9Tw/Tqfiny46H9I/AAAAAAAAEYM/kspTZYQCYEU/s1600/885231EBE015C24BC3B1917263C57C.jpg
Andréa del Fuego (1975)
E mesmo assim ele acredita fielmente que existe uma ligação silenciosa entre os dois. A partir disso, ele sofre com qualquer mínima alteração na rotina do ônibus e de Sofia, criando teorias do que estaria acontecendo com ela, mesmo sem ter A MENOR IDEIA do que ela faz de sua vida fora do ônibus.




Depois de um tempo, a coisa começa a ficar um pouco perturbadora.


De fato, as linhas de ônibus nas quais ele trabalha são toda a sua vida.


Dá um pouco de pena, mas principalmente desconforto ao reparar nessa obsessão do estranho protagonista. Ainda mais porque Sofia parece ignorar completamente sua existência.


Isso tudo que acabei de apontar são as partes positivas. 


O problema é que é um conto longo, tem mais de 30 páginas. 


Trinta páginas de ônibus, Sofia, motorista, cobrador. Ônibus, Sofia, motorista, cobrador. Ônibus, Sofia, motorista, cobrador.  


Mesmo com um vocabulário bem simples, preciso dizer que cansou um pouco?


Eu esperava que haveria alguma coisa mais interessante, um grande plot-twist e... não foi dessa vez, tente novamente.


Não é má vontade com autores brasileiros. Porém, assim fica complicado.


[Ah, e descobri que esse conto ganhou um prêmio do Ministério da Educação em 2007. Vou ter que discordar com o Governo Federal dessa vez.] 








NOTA: 6 / 10









LIVRO: 
"GRANTA em Português (10): Medidas Extremas". Alfaguara.

Um comentário:

  1. Oi, tudo bem?
    Nós do Contos e Pitacos selecionamos o seu blog para o The Versatile Blogger Award! O link do post é esse: http://contosepitacos.blogspot.com.br/2013/11/and-nominees-are.html
    =]
    Beijos!

    ResponderExcluir