quarta-feira, 21 de agosto de 2013

CONTO POR CONTO #2: "Na Colônia Penal" (Franz Kafka)

http://www.lpm-editores.com.br/v3/Imagens/um_artista_da_fome.jpgComo quinta e última história desse curto CONTO POR CONTO #2, temos uma história bem conhecida do nosso escritor tcheco favorito, Franz Kafka. 


Ela se chama "Na Colônia Penal", mas é bem provável que você já sabia disso por causa do título; mesmo assim, sigamos com o protocolo...


Ela é a história mais antiguinha dessa coletânea, tendo sido escrita em 1919. Da mesma forma, pelo o que eu entendi, ela também é a história que se passa em um momento mais antigo; pelas minhas chulas deduções, no máximo no final do século XIX.


Isso é meio óbvio, uma vez que consideramos que os personagens falam francês e tudo ocorre em... bem, em uma colônia penal, oras...


Mas, você me pergunta (ou não): "Afinal, que diabos é uma colônia penal??"  


Para você, leitor sem tal informação, uma colônia penal era um território pertencente a algum império colonial onde eram exilados criminosos; lá, eles deveriam se submeter a trabalhos forçados e eram praticamente servos dos capitães, oficiais e comandantes que administravam o local. 


Nesse cenário, conhecemos nosso protagonista, um explorador convidado a visitar a colônia e presenciar a execução de um dos prisioneiros de lá. A execução será administrada por um oficial e pela terrível máquina que faz todo o "trabalho".


Acontece que o explorador na verdade estava lá para dar sua opinião ao novo comandante da colônia sobre esse tipo de punição macabra. De fato, o único que ainda acreditava naquele método era o próprio oficial já citado.


Obviamente, o explorador fica chocado com tamanha selvageria daquele processo; o mais absurdo, entretanto, era o seguinte: os acusados dos crimes nunca tinham direito à defesa, ou seja, sem contra-argumentos ou segundas versões. O sujeito era simplesmente encaminhado à morte lenta e dolorosa.


A história, então, gira em torno dessa situação, onde o explorador tenta entender os motivos insanos que fazem o oficial achar aquilo tudo correto e justo. 

Tudo encaminha-se, enfim, para um desfecho que começa "poeticamente perturbador" e termina de forma grotesca... 


-----------------


http://1.bp.blogspot.com/-4gJwGXQs2xI/UAY0U-j7LuI/AAAAAAAAABY/nGJd-V5vFSk/s320/in+the+penal+colony.jpg
In der Strafkolonie (1919)
Na minha visão, o conto é, em sua grande parte, uma crítica descarada à justiça cega apenas de um olho que era aplicada frequentemente nesses locais, levando os internos a uma desgraça infinitamente maior que aquela que já viviam. 

Em parte menor, é uma crítica também ao apego cego e desenfreado que algumas pessoas têm quanto aos modos antigos e ultrapassados de se resolverem as situações. Isso fica evidente na figura do oficial, que é o único que ainda tem coragem de apoiar aquilo tudo. 

Também podemos ver talvez uma crítica referente à modernidade, que usa as máquinas para resolver seus maiores problemas, como uma espécie de divindade.


Bom, eu realmente gostei bastante. Consideravelmente mais dinâmico que as outras histórias de Kafka. 

Foi o melhor conto do livro e um ótimo jeito de fechar a sua leitura. Ainda, o fato do horror pairar por toda história e "explodir" no final deu um toque interessante ;)







NOTA: 9,5 / 10







LIVRO: 
"Um Artista da Fome seguido de Na Colônia Penal e Outras Histórias", escrito por Franz Kafka. L&PM POCKET. Tradução: Guilherme da Silva Braga. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário